2018 – ANO DE AUGUSTO MESSIAS DE BURGOS

Propriamente neste 12 de julho de 2018, pela passagem de seu singular sesquicentenário, dedicamos ao espírito do Senhor Augusto Messias de Burgos, o nosso mais singelo respeito e homenagem por seu contributo a humanidade através de nossas irradiações de bem querer!

Grande Foco! Vida do Universo!
Aqui estamos a irradiar pensamentos às Forças Superiores para que a luz se faça em nosso espírito, e tenhamos consciência de nossos erros, a fim de evitá-los e nos fortalecer para praticar o bem.

“AD PERPETUAM REI MEMORIAN”
Memorial Augusto Messias de Burgos
NOSSA HOMENAGEM DE GRATIDÃO
AO CABO-VERDIANO
AUGUSTO MESSIAS DE BURGOS
POR OCASIÃO DE SEUS 150 ANOS
NOSSA LEMBRANÇA
POR SUA PROFÍCUA PASSAGEM
PELAS NOSSAS ILHAS EM 1911
1868 – 2018

O caminhar de Augusto Messias de Burgos

- I -

No éter, Vieira escreveu a ação,
Augusto iniciou sua nova ação,
Cabo Verde a sua nova nação,
Partiu de Mindelo, para sua ação,
Agora em Santos, foi o elo da união,
Vieira, Thomaz e Mattos, elos da missão,
Podia mais, lhe deram muito mais ação,
Missão de um Messias, excelsa missão.


De Vieira recebeu confiança na missão,
De Mattos a corrente fluídica em ação,
De Thomaz apoio à fome dizer não,
Só um ser fiel autêntico e decente,
Poderia levar a cabo tal presente,
Uma missão de autêntica elevação,
Augusto, sua presença fez a diferença,
Ao levar alimentos aos famintos da nação,
Gerou luzes à nova nação.

A árdua tarefa do senhor Burgos

Entre muitos feitos, um ser que em tão pouco tempo levou adiante seu árduo encargo, sempre será um ícone por seus mais próximos:

• Em sua casa, recebeu a dois seres rudes e embrutecidos, os curou, os esclareceu e os uniu;

• Entregou o que mais amava talvez a razão de sua vida, o seu pequeno Centro Espírita conhecido pelas muitas curas efetuadas, aos senhores Luiz de Mattos e Luiz Thomaz;

• Numa reunião de diretoria em setembro de 1910, convenceu e envolveu pessoas que muito pouco sabiam sobre Cabo Verde. [1]
Apesar de alguns autores citarem exatamente ao contrário. [2]

a) arrecadou alimentos, [3]

b) Efetuou a logística: Entre a arrecadação, compra de alimentos, armazenagem, transporte - Foram 11 meses a partir de setembro de 1910 e a saída do navio em 03 de Agosto de 1911. [4]

c) Transporta-los e, [5, 6]

d) Os distribuiu de ilha em ilha, nas mãos dos famintos; [6]

• Uniu dois países para levar adiante uma filosofia espiritualista cristã e redentora da humanidade.

• Assim para entender a eficiência da profícua viagem do senhor Augusto Messias de Burgos em levar alimentos a Cabo Verde, não se pode descartar todas as iniciativas que antecederam tal evento, por exemplo, angariou 22,92% dos valores para a compra dos alimentos entre a população de Santos e o comércio local, e tudo indica que pode haver persuadido ao senhor Luiz Thomaz a completar o navio com 77,08%. [7] Após entregou essa remessa de alimentos que marcou a alma da nação Cabo-verdiana.

O tamanho da missão do Senhor Burgos - Por Wilson Candeias

Os periódicos da época noticiavam a fome que assolava Cabo Verde, então ainda território além-mar de Portugal. Todavia Augusto Messias de Burgos sempre manteve correspondência ativa com seu irmão Alfredo de Burgo que, além de relações amistosas de irmãos, o informava tudo sobre sua terra, e lhe detalhava a real situação sobre a fome que se alastrava entre as ilhas de Cabo Verde.

Comovido pelo triste momento de seu povo, junto de outros militantes do então Centro Amor e Caridade de Santos, em setembro de 1910, [1] formou-se uma comissão e promoveu-se intensa campanha de arrecadação de gêneros alimentícios, entre a população portuguesa [2] e os comerciantes de Santos, a fim de auxiliar amenizar a fome que afligia o desesperado povo de Cabo Verde.

Foi assim que na época, o senhor Augusto Messias de Burgos por tomar a dianteira para formar a comissão e coleta de alimentos, e por suas atividades nas Docas de Santos, mas também por estar próximo aos amigos senhores Luiz de Mattos e Luiz Alves Thomaz, como filho das ilhas de Cabo Verde, coube a ele a tarefa, em nome do Centro Amor e Caridade de Santos, acompanhar o navio procedente de Santos para Cabo Verde - fato que sensibilizou toda a população Cabo-verdiana. [3]

Dessa forma, se pode perceber claramente que nesse momento da história da espiritualidade, tanto o senhor Luiz de Mattos, como o senhor Luiz Alves Thomaz e nem o próprio senhor Augusto Messias de Burgos, tiveram a percepção da importância do gigantesco passo que estavam dando perante o progresso da espiritualidade e a evolução da humanidade.

Augusto Messias de Burgos o semeador da espiritualidade

Então, supõe-se que a partir de 1902, na Avenida Rangel Pestana nº 79, na Cidade de Santos, começou a ser forjada a árvore da espiritualidade, porém oficializada em 10 de janeiro de 1910.

Entrementes, nesse humilde Centro Espírita de orientação Kardecista, Augusto Messias de Burgos, além de médium entrelaçado com o espírito do Dr. Custódio José Duarte, pois tudo indica que o conheceu em vida física, na Cidade de Mindelo, também era médium de confiança do espírito do Padre Antônio Vieira.

Um sensitivo que protagonizava curas providenciais aos carentes de Santos, época que a cidade estava assolada por enfermidades, principalmente a tuberculose que mais subtraia vidas no inicio do século XX, [5 6] por isso os enfermos o buscavam por ajuda, assim seu entendimento sobre a espiritualidade e atitudes solidificavam sua base de conhecimentos, agora era questão de tempo, para receber aqueles que dariam sustentação a autêntica espiritualidade recém-iniciada. [7]

Assim, tanto o médium, quanto aos espíritos da mais alta hierarquia espiritual, receberam com regozijo a Luiz de Mattos, ao qual se estima que chegou a casa do senhor Burgos, por volta de 1904 a 1906, buscando por ajuda e foi tratado de sua tuberculose por dois anos. [1 e 2]

A chegada do Senhor Augusto Messias de Burgos ao Brasil

Já temos indicações de que nosso Padre Vieira tinha fortes laços emocionais com Cabo Verde, pois durante idas e vindas entre Portugal e Brasil, descansava na Ilha de Santiago, assim foi onde percebeu a natureza do povo Cabo-verdiano em migrar, logo... levaria ao mundo a espiritualidade. E, aquando de elevado ao Astral Superior, dentre muitos que se apresentaram para sua obra, também estavam Dr. Custódio José Duarte e Augusto Messias de Burgos.

(Clique em qualquer imagem para AMPLIAR)

Dessa forma, foram encontrados relatos que tanto o Senhor Burgos, como o Dr. Custódio frequentavam os Centros Espíritas Kardecistas de Mindelo, da mesma maneira pode-se acreditar que ambos fortaleceram seus laços de amizade, por ocasião dos cuidados com a saúde de sua filha, antes e depois da desencarnação do Dr. Custódio.

Com a perda dessa filha, o casal Burgos, entre 1898 e 1901, decide migrar ao Brasil.

1886/1887/1888 – Inicio previsto da obra de Antônio Vieira - Por Wilson Candeias

No Livro Assim Surgiu o Racionalismo Cristão, assinado pelo senhor Antônio Cottas,
há um interessante diálogo “sinalizador” entre Luiz de Mattos e o espírito do Padre Antônio Vieira, onde o autor nos relata:

Acordaste tarde; era para aos 26 anos teres iniciado comigo estes trabalhos”. [1]

Tal afirmação nos leva a supor que, dado o nascimento do senhor Luiz de Mattos ser o ano de 1860, somado ao citado “26 anos”, então o início previsto da obra Filosófica Espiritualista Cristã em Santos nos remete aos anos de 1886/1887/1888. Essa citação do senhor Antônio Cottas nos leva ao ano de 1887, ano em que Luiz de Mattos foi Vice-cônsul de Portugal em Santos. [2] Mas o senhor Galdino Rodrigues de Andrade, no Livro Luiz de Mattos sua vida, sua obra na página 69, cita a nomeação como Vice-cônsul de Portugal, em 08 de maio de 1889.

1886 = Ano em que Luiz de Mattos completou seus 26 anos.
1887 = Ano em que Luiz Thomaz aos 15 anos chegou ao Brasil.
1888 = Tudo indica que apenas Luiz de Mattos já estava apto a assumir mais responsabilidades, porém nesse período, ainda não há informações sobre o paradeiro do senhor Burgos.

Vale acrescentar que, 1886, 1887 e 1888, foram anos que antecederam a Abolição da Escravidão no Brasil, que ocorreu em 13 de maio de 1888, e a da proclamação da República ocorrida em 15 de novembro de 1889, datas que mudaram os rumos do Brasil.

O elo entre Dr. Custódio José Duarte e o senhor Augusto Messias de Burgos continua!

O pesquisador Professor Dr. João Vasconcelos, em seu Livro a História do Racionalismo Cristão em São Vicente de 2011 sugeriu:

Há quem diga, mas isto não é garantido, que Augusto Messias de Burgos levou para Santos o espírito do seu conterrâneo Custódio Duarte,”... [1]

Para aferição desta citação, destacamos que tanto o Dr. Custódio José Duarte como o senhor Augusto Messias de Burgos, são figuras carismáticas e como tal deixam muitos rastros, então, após buscas centenárias, as informações encontradas são agradáveis coincidências, e ao percebê-las, é como se fossem os primeiros momentos que antecedem um grande espetáculo musical, primeiro a chegada e inspeção dos instrumentos, após segue-se a afinação de cada instrumento, por fim uma grande sinfonia.

Ainda no mesmo livro, o Dr. João Vasconcelos, afirma;

“...outros médicos metropolitanos que se crioulizaram também por via das mulheres que arranjaram na ilha vieram a tornarem-se igualmente queridos do povo e espíritos de luz com presença regular nas sessões espíritas em São Vicente.”[1]

Dando-nos evidências cristalinas que aqui, é o ponto de conexão entre os nossos Dr. Custódio José Duarte e o médium Senhor Augusto Messias de Burgos, onde ambos vivenciaram toda a experiência da espiritualidade que iriam alavancar em perfeita cumplicidade e sintonia.

Vejamos, o Dr. Custódio José Duarte nasceu em Vila Real de Trás-os-Montes, a 16 de junho de 1841, formou-se em medicina na Escola Médico-Cirúrgica do Porto, defendeu sua tese em 1865, sobre “Responsabilidade médico-cirúrgica”, em seguida, entre 1865 – 1866 viajou para Cabo Verde, onde rapidamente, como médico tornou-se uma figura proeminente, local que se dedicou pelo resto de sua vida, e desencarnando em Mindelo, Ilha de S. Vicente no dia 19 de setembro de 1893. [2]

A história foi ocultada pelo próprio Augusto Messias de Burgos! - Ao longo de 100 anos a história não se revelou!

Durante 100 anos a ampulheta do tempo funcionou como um livro fechado, eis que durante esses longos anos, todos se perguntavam quem foi o destemido e ousado que tão bravamente capitaneou um navio, atravessou um oceano com uma entrega de alimentos?


Agora, após o desenrolar de exatos cem anos, o livro se abre, e a cada página revela-se a face e detalhes da coragem e renúncia do “soldado desconhecido”, que, a cada dia o acaso se decompõe e a sua obra se compõe fortalecida em cada cabo-verdiano estudioso da espiritualidade.

Custódio José Duarte - Por Professor Dr. João Vasconcelos

Nascido em 1841 em Vila Real de Trás-os-Montes, Custódio José Duarte formara-se em medicina na Escola Médico-Cirúrgica do Porto. Terminara o curso em 1865 e fora logo colocado como facultativo em Cabo Verde.
Clique p/ouvir 
a limpeza Psíquica

Exercera a medicina em várias ilhas durante os quinze anos seguintes, com um intervalo de um ano, entre Março de 1876 e Junho de 1877, durante o qual ocupara em Luanda o cargo de secretário-geral do governo de Angola.

Regressado a Cabo Verde, reformara-se como diretor do serviço de saúde da província e fixara residência na cidade do Mindelo, aonde viria a morrer na estação das águas de 1893. Antes disso, tivera tempo para presidir à Comissão Municipal de São Vicente, para trabalhar como delegado de saúde e médico municipal, e para fundar a primeira biblioteca pública do Mindelo, inaugurada em 1882.

Custódio José Duarte fora também poeta e ensaísta, mas boa parte daquilo que escreveu acabaria por ser atirado ao mar dentro de um cofre, respeitando um desejo que ele manifestara às portas da morte. Salvaram-se os textos publicados até então, o mais conhecido dos quais é o ensaio de 1886 «O crioulo de Cabo Verde», escrito em parceria com Joaquim Vieira Botelho da Costa.

Luiz de Mattos conhecia sua cidade como ninguém - Por Wilson Candeias

A próxima imagem é de 1907, com o Rio do Soldado já urbanizado, é o próprio retrato da época em que o senhor Luiz de Mattos e o senhor Luiz Thomaz travaram amizade. [1] Nessa imagem em confronto com outras imagens, a primeira casa ao lado direito de muros altos, nos leva a crer que poderia ser a suposta residência do senhor Luiz de Mattos e no 6º lote, aproximadamente no meio dessa mesma quadra está o nº 79, residência do senhor Augusto Messias de Burgos, onde iniciou o seu pequeno Centro Espírita. [2]

Fonte: http://www.blogcaicara.com/2012/0
3/foto-antiga-rua-rangel-pestana-em.html
No final do século XIX, o comerciante de café senhor Luiz José de Mattos, possuía considerável fortuna, e ainda muito jovem já era conhecido por muitas obras de benemerência, entre elas, aos 22 anos em 1881/82, foi um dos patrocinadores do Quilombo do Jabaquara [3,4] aos 28 anos em 1887, foi Vice-cônsul de Portugal e em 1888 acumulou a função de Presidente da Sociedade de Beneficência Portuguesa de Santos, anos mais tarde em 25-12-1897 inaugurou o Funicular - TRAMWAY, bonde elevatório na encosta do Morro Nova Cintra, que funcionou até 29-05-1922. [5]

Qualquer negócio de vulto em café, não era resolvido sem o seu conselho. Era voz geral: “Vai consultar primeiro o Luiz”. Antônio Cottas” [6]

Podemos até contemporizar que por sua perspicácia de negócios, que não era somente nos negócios de café que o senhor Mattos tinha influência. Pela sua honorabilidade era admirado por autoridades da cidade, fator que lhe dava credibilidade para influenciar também nos destinos da cidade de Santos.

Cidade de Santos e suas cercanias, época em que o senhor Luiz de Mattos viveu a sua maturidade – mapa de 1880/1895

[7]

A resposta que todos buscam! - Era desejo de meu pai... - Por Maria Luíza Cottas de Jesus

Era desejo de meu pai ter tudo narrado com seriedade. Infelizmente, faleceu sem alcançar tal objetivo.” Maria Luíza Cottas de Jesus

Assim respondeu a Senhora Maria Luíza Cottas de Jesus, neta de Luiz de Mattos, ao trocar correspondência com um estudioso Cabo-verdiano. Onde manifestou o desejo de seu pai Senhor Antônio Cottas de esclarecer o real início do espiritualismo que se iniciou na Cidade de Santos, batizada inicialmente de  Centro Amor e Caridade;


"Confirmo o que citei no “A Razão” de Junho de 1982, sob o título “Cartas que trazem Mensagens”, baseando-me no que me foi contado por Otelia de Mattos, sobrinha de Luiz de Mattos, portanto prima-irmã de minha mãe.


No que me foi contado, o Presidente do Centro Amor e Caridade, chamava-se Carlos Burgos.


... Era desejo de meu Pai ter tudo narrado com seriedade. Infelizmente, faleceu sem alcançar tal objetivo.


A sobrinha de Luiz de Mattos disse-me que quem estava à frente do “Amor e Caridade”, na ocasião da visita de Luiz de Mattos chamava-se Carlos Burgos, (Augusto M. Burgos) Senhor Cabo-verdiano.

Cabo-verdianos difundem o Racionalismo Cristão em outros países

Cabo-verdianos ao migrarem de seu país, carregam consigo os princípios esclarecedores do Racionalismo Cristão, e tem a satisfação de os difundirem espontaneamente sem qualquer custo para quem quer que seja. Nesta publicação temos um emocionante testemunho de amor.

Minha história de amor pela Doutrina Racionalista Cristã
Por Antão José Lopes da Luz

Casas Racionalistas Cristãs
espalhadas pelo mundo
Vivi em Cabo Verde até maio de 1999.

Como já é do conhecimento de alguns amigos e companheiros, a minha mulher e eu fomos ativos participantes na fundação da Filial Santiago, em maio de 1978 e, anos depois, do Correspondente Achada de Santo António, em devido tempos elevado a Filial.

Já em Portugal, por ter continuado a trabalhar na Baixa da Capital Portuguesa, logo que possível, tornei-me militante da Filial Lisboa. Mas a minha mulher já com alguma dificuldade em se deslocar, percebeu que não poderia, com assiduidade, participar dos trabalhos dessa Casa Racionalista Cristã.

Ela sempre me disse, desde Cabo Verde, que vinha tendo intuições de que deveríamos abrir um núcleo de amigos da Doutrina na localidade que escolhemos para habitar – Miratejo, na margem sul do Tejo.

Confesso que levei algum tempo para aderir à ideia, pois não conhecia ninguém nesta zona e, por isso, o sonho poderia levar algum tempo a tornar-se realidade.

Desencarnou em São Vicente, o escritor Martinho de Mello Andrade, autor de 11 livros


Aos 83 anos de idade, desencarnou o escritor Martinho de Mello Andrade, na cidade de Mindelo, na Ilha de São Vicente, na madrugada do dia 03 de julho de 2018, nasceu da Ilha de São Nicolau, em 12 de novembro de 1933, filho de André Miguel Andrade e de Isabel Nobre de Mello.

Um homem que se expressava de forma abalizadora, cordial e extremamente fiel ao expor suas opiniões e conceitos sobre a Filosofia Espiritualizadora que abraçou deste jovenzinho.

Reconhece-se que Luiz de Mattos dotado de uma probidade a toda a prova, e de uma inteligência luminífera, através de pesquisas e investigações chegou, ao codificá-la, ao pináculo da perfeição espiritualista, porque soube fazer do estudo desta doutrina um recreio agradável, unindo o útil ao agradável como sói-se dizer, deleitando e ao mesmo tempo instruindo e esclarecendo espiritualmente os seres humanos. (...)” Nosso Livro de Racionalismo Cristão

Foi um dos incansáveis buscadores da verdade sobre a vida do Senhor Augusto Messias de Burgos, que sem as suas memórias, pesquisas, análises e palestras, principalmente o seu incentivo, muito pouco saberíamos sobre a obra de nosso
herói Senhor Augusto Messias de Burgos, que neste ano de 2018, o destacamos como o ano de Augusto Messias de Burgos, que se vivo fosse estaria completando 150 anos de existência.

O espírito do nosso herói Augusto Messias de Burgos, de lá das luminosidades eternas continua a espargir sobre a humanidade os seus fluídos amigos, benéficos e curadores. O espírito não tem pátria, é universal, mas cabe-nos reserva-lo uma página em letras de ouro por tudo quanto fez por Cabo Verde, mitigando a fome aos famintos e esclarecendo-lhes sobre a luz do Racionalismo Cristão, codificado pelo espírito de Luiz de Mattos que como eleito do astral superior veio iluminar o mundo.” Martinho de Mello Andrade

Dentre várias pesquisas, análises e artigos do Senhor Martinho de Mello Andrade sobre o Senhor Burgos destacamos:

=> Maninho de Burgos, Henrique Morazzo e Cônego Teixeira – Foram os precursores do Racionalismo Cristão em Cabo Verde.

=> Augusto Messias de Burgos - Sua vida e sua família, e,
para adquirir este histórico
livro, escreva para
marmellande@hotmail.com
com Sr. Luiz Alves

=> Duas pinceladas sobre a vida de Augusto Messias de Burgos.

O meu avô sempre fez os livros com a intenção de divulgar e expandir a doutrina Racionalista Cristã.” Luís Alves

Também é autor de 11 obras, já publicou algumas obras entre elas, romances, contos e livros sobre o Racionalismo Cristão, podemos citar: Nosso Livro de Racionalismo Cristão, Introdução do Racionalismo Cristão às Crianças, Escolas Racionalistas Cristãs, Drama de uma Família Cabo-verdiana, Queda do Artigo Quarto, Embaixatriz, Ilha de São Nicolau - Memórias, Pão do Espírito, Aurora Espiritual, A Chave do Cadáver e Porque Sou Racionalista Cristão.

Visita do Presidente do Racionalismo em Cabo Verde – Agosto de 2018

A obra de Vieira
continuará
Todos  estão  convidados  a  participarem  de  uma  história  de  amor  dedicada à  humanidade  iniciada  em  1911  na Ilha de São Vicente, em Cabo Verde, uma história de abnegados que continuam trabalhando arduamente para que os princípios filosóficos codificados por Luiz de Mattos, pudessem chegar até os dias atuais, e nesta terceira semana de Agosto de 2018, o Presidente físico Senhor Gilberto Silva, numa extensa agenda de novos eventos, os elos e propósitos idealizados pelo Padre Antônio Vieira se fortificarão, e se elevarão ainda mais, dessa forma estendemos o convite aos amigos e estudiosos da Filosofia Espiritualista do Racionalismo Cristão para acompanharem o cerimonial da visita, nas Ilhas de Barlavento.

Dia 13 de Agosto – Segunda-feira

– 10h40min – Chegada ao Aeroporto internacional Cesária Évora
– 20h – Reunião Pública na Filial Ilha de São Vicente

Dia 14 de Agosto – Terça-feira

RIBEIRA DE CRAQUINHA – Espaço de Protagonismo Juvenil da Ribeira de Craquinha
– 15h30min às 16h45min – Palestra: Tema – “O Conceito Limat na Expansão do Racionalismo Cristão”, por Manuel da Conceição Ramos
 20h – Reunião Pública

Dia 15 de Agosto – Quarta-feira

O caminhar de Augusto Messias de Burgos

- I -

No éter, Vieira escreveu a ação,
Augusto iniciou sua nova ação,
Cabo Verde a sua nova nação,
Partiu de Mindelo, para sua ação,
Depois em Santos, foi o elo da união,
Vieira, Thomaz e Mattos, elos da missão,
Podia mais, lhe deram muito mais ação,
Missão de um Messias, excelsa missão.


De Vieira recebeu confiança na missão,
De Mattos a corrente fluídica em ação,
De Thomaz apoio à fome dizer não,
Só um ser fiel autêntico e decente,
Poderia levar a cabo tal presente,
Uma missão de autêntica elevação,
Augusto, sua presença fez a diferença,
Ao levar alimentos aos famintos da nação,
Gerou luzes à nova nação.